Dicas para colagem de vidros

Dicas para colagem de vidros
28 mar 2018

A colagem de vidros pode ser um processo simples e sem segredos. Confira neste passo a passo

Como diria qualquer camelô de nossas grandes metrópoles: “Não requer prática nem tampouco habilidade”. Realmente essa é a frase a ser dita para quem quer ingressar no ramo de colagem de vidros. Na verdade, o que conta é utilizar a técnica adequada e também a tecnologia, as ferramentas e os acessórios corretos. A distribuidora de produtos para vidraçarias e transformadores de vidros Glass Parts está apresentando ao mercado uma linha completa de colas, ferramentas e acessórios que vai mudar o conceito daqueles que tentaram realizar algum trabalho em colagem com cura por luz ultravioleta (UV) e se deram mal.

Um kit básico para iniciar a produção é composto por cola, cordão com lâmpada UV de 20 ou 40 watts, álcool isopropílico e papel macio (papel toalha ou papel higiênico). Para proteção da pele é essencial a utilização de óculos apropriados e luvas, pois os raios UV são prejudiciais à saúde. Mas o principal ingrediente é a própria cola. As importadas pela Glass Parts são oferecidas em duas versões, uma para colagem vidro-vidro e outra para colagem vidro-metal, ambas com o nome Ultraglass. Segundo o setor de marketing da empresa, tais colas, produzidas na Europa, são certificadas com ISO 9001. Para montagens mais elaboradas ou para agilizar o processo é recomendável a utilização de miniventosas especiais que prendem as peças de vidro a 90 graus.

As colagens foram realizadas na sede da Glass Parts, em São Paulo, pelo consultor João.

Acompanhe a sequência de dois tipos de colagem passo a passo:

  1.  O primeiro passo para se realizar as colagens é ligar a lâmpada UV; isso porque ela leva de 5 a 10 minutos para começar a emitir radiação UV, que faz a cura da cola.

  2. Limpe as faces dos vidros que serão colados com papel e álcool isopropílico. Essa limpeza é necessária para evitar que gordura e/ou sujeira prejudiquem a colagem.

  3. Na colagem vidro-vidro é importante limpar também a borda lapidada. Lembrando que as bordas precisam estar bem lapidadas e polidas, sem apresentar ondulações, de forma a permitir um contato perfeito entre a borda de um vidro e a superfície do outro — ou borda com borda, em outros casos.

  4. Na aplicação da cola é importante se fazer um filete bem fino, utilizando o mínimo de cola possível. João explica que se colocar muita cola vai se formar uma película entre as partes. E essa película pode quebrar, pois é menos resistente e homogênea que o vidro. Na aplicação na borda, use o dedo médio como guia, apoiando na lateral do vidro e deslizando por ela enquanto o bico aplicador vai liberando a cola sobre a borda desse mesmo vidro, em movimento contínuo.

  5. Existe a opção de marcar com uma caneta para retroprojetor o local onde o vidro será colado. Isso é feito no lado oposto do local onde o vidro será colado. Apoia-se, então, a borda sobre a superfície e, se verificar que não está na posição adequada, não retire o vidro e tente colá-lo novamente — o correto é retirar o vidro, limpar com papel higiênico e álcool, limpar novamente as duas faces da colagem e reiniciar o processo.

  6. Após apoiado o vidro no local adequado, coloque as luvas e os óculos de proteção adequados para evitar os malefícios da radiação UV.

    Posicione a lâmpada a uma distância aproximada de 10 cm da colagem. Em dez segundos a colagem já foi fixada e não exigirá mais que a peça seja segurada.

  7. Nessa fase é que se faz as limpezas de excesso de cola. Mas o ideal é deixar em exposição um minuto para cada milímetro de espessura do vidro, no caso deste em que usamos lâmpada de 40 watts. No caso de lâmpada de 20 watts, o tempo de exposição precisa ser dobrado. A partir daí a peça está fixada — porém, a cura total ocorre somente após quatro horas de exposição.

  8. A utilização de miniventosas com ângulo de 90 graus é indicada nos casos de montagens mais elaboradas, pois permite que a pessoa prossiga seu trabalho de colagem enquanto a cura vai sendo realizada com a radiação UV na primeira parte colada.

    Para isso, basta fixar as ventosas, posicionando o vidro na posição pretendida.

  9. Em seguida, exponha a área colada sem permitir que a ventosa bloqueie a radiação UV.

  10. Para colagem metal com vidro é preciso que se faça a limpeza, com papel e álcool isopropílico, tanto do vidro quanto do metal.

    E utiliza-se cola especial para colagem metal-vidro.

  11. É importante destacar que não é recomendável a colagem de peças cromadas, pois a camada de cromo pode ser arrancada mediante um esforço excessivo.

    O ideal é a utilização de peças de aço inox, polido ou escovado.

  12. A cola deve ser aplicada no metal. Em peças redondas, como a desta colagem, aplica-se apenas uma gota no centro da peça a ser colada. Posicione o vidro, pressionando o vidro contra a peça metálica de aço.

  13. Por fim, posicione a lâmpada e repita as etapas de limpeza de excesso, cura parcial e cura total após quatro horas.

  14. Na foto é possível verificar as duas peças parcialmente coladas, com somente poucos minutos de exposição à radiação UV.

Share

Glassparts